quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Canaã e Cananeus


VISÃO GERAL

A terra conhecida como Canaã era uma área do território palestino a oeste do Rio Jordão. Os israelitas olhavam-na como sua Terra Prometida. Durante o tempo de Josué, eles se mudaram para o território e ocuparam muitas cidades. Canaã também abrangia áreas do sul da Síria. É difícil descrever a região norte de Canaã porque os seus limites nunca foram determinados exatamente. Atualmente, estudiosos dão o nome "cananeu" para todas as pessoas que viveram na parte oeste da Palestina antes dos israelitas.

TERRA E POVO
Canaã, neto de Noé, faz parte da lista dos patriarcas, descrita em Gênesis 10. Ele foi "pai" de 11 tribos que viveram na área da Síria e Palestina. Assim como Canaã se tornou um termo genérico para identificar a região oeste da Palestina, com o tempo, cananeu identificava os habitantes daquela região. Falavam um dialeto semita. Seu alfabeto deu origem ao que usamos hoje, tendo passado pelos hebreus, fenícios e gregos.

Descobertas arqueológicas recentes de alguns artefatos confirmam as descrições bíblicas dos cananeus.

HISTÓRIA
Antigos manuscritos dão notícia de que os cananeus tiveram contatos com a Mesopotâmia desde 2000AC, recebendo influência política e social dos povos que por lá se estabeleciam, como os amoritas, assírios e egípcios. Aos poucos foram assumindo o controle político e econômico da região de tal forma que quando Josué ocupou a terra seus inimigos eram cananeus e amoritas em sua maioria, fracos por terem perdido o pouco que lhes restara. A invasão dos israelitas e o avanço dos povos do mar destruíram o que lhes tinha sido deixado pelos povos anteriores. Depois de 1100AC, a cultura cananita só existia em Tiro, Sidon e outros poucos lugares.

A RELIGIÃO DE CANAÃ
Até algum tempo atrás, tudo que se sabia da religião cananita vinha das descrições do Velho Testamento. Baseados em descobertas contemporâneas, os estudiosos acreditam que os cananeus adoravam uma família de deuses e deusas, que tinham duas características impressionantes: sua personalidade e poder mudavam constantemente e seus nomes tinham significados e fontes que podiam ser facilmente seguidas. O panteão cananeu tinha importantes personalidades como:

EL - que significa "deus, o forte, poderoso", representado por um ancião de cabelos e barbas brancas;

BAAL - o deus da tempestade, rei dos deuses, logo sobrepujou El em importância, representava o poder das forças da natureza.
Deidades femininas: foram encontradas em escavações arqueológicas, muitas estatuetas de terracota representando deusas cananitas. Numa escavação em Byblos, na Fenícia, foi encontrado um centro de adoração que provavelmente envolvia prostituição, orgias e ritos de fertilidade. Dentre as mais conhecidas está ASTAROTE - deusa da fertilidade, tinha diversos nomes, Vênus entre eles; adorada através de danças e automutilação com facas e chicotes. (Juízes 2:13)

SACRIFíCIOS NA ADORAÇÃO
Como lutavam para sobreviver na terra hostil, os cananeus ofereciam sacrifícios aos deuses que acreditavam poderiam ajudá-los a prosperar. Se os deuses e deusas se agradassem da adoração, o resultado seria uma colheita farta. A adoração acontecia num santuário ou "alto lugar" onde eram oferecidos os sacrifícios. Evidências arqueológicas indicam que animais de todos os portes eram oferecidos num grande templo. Uma prática sinistra que os cananeus vieram a adotar foi o sacrifício humano. Em II Reis 3:27 lê-se que Mesa, rei de Moabe, ofereceu seu filho em holocausto depois de perder uma batalha.

INFLUÊNCIA DE CANAÃ SOBRE ISRAEL
Durante os séc. XV e XIV AC, irrestrita atividade sexual fazia parte da adoração dos cananeus, prática que começou a influenciar outros povos no Oriente Próximo, afetando inclusive as religiões conservadoras do Egito e Babilônia. Os cananeus tinham quatro festas anuais, associadas com eventos como plantio e colheita de grãos, que quase sempre levavam a celebrações grosseiras, bebedeira e excessos sexuais.

Nas constantes e livres mudanças de um território para outro, o povo trazia consigo suas práticas religiosas, o que levou ao sincretismo, ou seja, adoção de idéias ou práticas de outros povos. Os hebreus, no entanto, resistiram à troca de idéias religiosas. O Deus deles era único, santo e maior do que qualquer ser na terra ou no céu. Ele exige fidelidade exclusiva. Deus forneceu a Israel um código moral definido pelas leis da aliança que Moisés trouxe do Monte Sinai. Hebreus e israelitas nada tinham em comum com relação a adoração; estava claro que não poderiam coexistir. Por isso Deus emitiu instruções estritas de que os cananeus e seus hábitos deveriam ser eliminados da Terra Prometida (Êxodo 23:24, 34:13-16, Deuteronômio 7:1-5). Os hebreus eram o povo da aliança; sua lealdade a Deus requeria que se mantivessem afastados das influências do cananeus, o que não era fácil por alguns motivos: compartilhavam línguas semelhantes, o que facilitava a troca de idéias; tendo descoberto que os cananeus eram habilidosos na construção de estruturas de pedra e confecção de ferramentas de metal, implementos e armas, os hebreus começaram a compartilhar com eles os conhecimentos técnicos para sair de sua condição inferior.

O Rei Salomão alistou cananeus da Fenícia para desenhar e construir o templo do Senhor em Jerusalém.

Na destruição de Jericó, com exceção das coisas condenadas (Josué 6:18-19), os israelitas decidiram descuidadamente fazer uso das mercadorias cananitas capturadas na batalha. Essa exposição a uma cultura sedutora enfraqueceu seus esforços para destruir a religião cananita. Muitos anos depois, o rei Acabe completou a corrupção estabelecendo a adoração de Baal no reino do norte de Israel, que por esse tempo havia perdido muito de sua pureza espiritual. Seus sacerdotes, que deveriam ter mantido a fé na aliança contra falsa adoração, acharam mais simples imitar os hábitos dos cananitas, inclusive encorajando o povo a fazê-lo (I Samuel 2:22). Somente os profetas que Deus enviou para convencer o povo dos seus pecados permaneceram fiéis. Proclamavam que Israel precisaria ser purificada pela guerra e exílio antes de ser restaurada.

A lição de Canaã nos ensina a nos resguardar da falsa religião. Quando nos descuidamos ou ficamos indiferentes aos mandamentos de Deus, podemos facilmente nos corromper.

14 comentários:

  1. É VERDADE ,HOJE OS POVOS PREFEREM SEGUIR CAMINHOS MAIS FACEIS ,TER A RELIGIÃO REFORMADA DO QUE SEGUIR A RISCA A PALAVRA DE DEUS .JÁ SE PASSARAM 2009 ANOS E PODEMOS NOS COMPARAR A VELHA CANAÃ QUE PERCEBEMOS QUE NADA MUDOU...
    DE ; ANNY ABREU rodianeabreu@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diz pra ele colocar as fontes de onde ele consultou o assunto é que isso dá mais credibilidade.

      Excluir
  2. Anny,
    Graça a Deus pela sua vida e obrigado pelo comentário. Continue conosco.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse estudo! Interessante que nesse domingo fiz um estudo exatamente sobre os Dez Mandamentos, e cheguei a uma conclusão que eles foram um alerta para que os hebreus não fizessem as mesmas coisas que os sete povos de canaã faziam como descrito acima. Sem esquecer de falar de Moloque, o qual recebia ofertas de crianças que eram jogadas dentro da sua imagem que no ventre tinha uma fornalha, pesquisas revelam que eles colocavam os ossos de alguns sacrificios no alicerce das cassas como uma oferta em troca de fertilidade e paz no casamento. Moloque que tinha um corpo humano com cabeça de touro ou leão assim como os outros deuses recebiam esses sacrificios.
    Mas o interessante é que há mais de 500 anos antes disso acontecer Deus já havia dito a Abraão que no tempo certo Ele faria os israelitas sairem do Egito e habitariam em canaã, tempo esse que os povos de lá chegariam no limite, e Deus então poderia agir (Gn 15.16). Logo a justiça de Deus é inquestionável, Ele nunca age de qualquer jeito movido por emoções como nós, sempre justo, sempre justo.

    ResponderExcluir
  4. Qualquer ensinamento novo é sempre bom; e,exatamente, por estarmos falando da bíblia, a palavra adoração merece destaque especial.
    Apesar dos deslizes cometidos pelo povo de israel, eles adoram um único Deus, como está escrito em João 17.3:" E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, quem [tu] enviaste".Em síntese: Deus enviou o messias, e não outro Deus; portanto, basta este simples versículo bíblico para demonstrar que a doutrina da trindade é um equívoco que leva o crente a adorar três pessoas consideradas deuses.Engº André Miceno
    amiceno@ig.com.br

    ResponderExcluir
  5. A Doutrina da Trindade tem as suas raízes no paganismo. Sabemos através da história das religiões que, Tríades de divindades sempre existiram na mitologia pagã, por exemplo:
    No Egito ” Osíris, Ísis e Neftís formavam uma tríade de divindades. Na Babilônia havia Ea, Enlil e Anu (o senhor dos céus). Na Grécia, encontramos Zeus, Hera e Atena. Os romanos adoravam uma divindade que era constituída por Júpiter, Juno e Minerva. No cristianismo,temos o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Na verdade, o cristianismo é uma religião hibrida,onde podemos encontrar elementos do Judaísmo, Zoroastrismo (o bem x o mal), Mitraísmo (religião oficial do império romano, absorvida em parte pelos cristãos), doutrina dos essênios (vida monástica, a cura através de ervas medicinais, agua benta ...), Gnosticismo nos escritos de Paulo (ver I Coríntios, capítulo 15) e das antigas religiões da mesopotâmia (o dilúvio, trindade) e, em especial, do Egito Antigo (batismo,resurreição, imortalidade da alma, trindade, etc.). A única coisa nova criada pelo cristianismo (catolicismo) é a figura do diabo (anjo decaído) que está arrastando milhares de pessoas, inclusive cristãos idólatras e outros(ver Deuteronômio cap.18), para o "lago de fogo e enxofre". O cristianismo findará quando a era de peixe chegar ao fim. O fim do mundo (desta era de peixe) é, na verdade, o fim do cristianismo como religião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nota-se que você é fruto de um caráter irresoluto, que acha que pode abrir a sacola em ir jogando tudo lá dentro, como se nada fosse estragar...
      As vezes, uma boa seleção deve ser feita, para se encontrar coisas mais salutares, pois se não tivermos a coragem de controlar nosso ímpeto, acabamos agindo como tolos, onde não queríamos que fosse assim...
      Um anônimo com coragem ou um herói sem destreza.
      Pelo menos seria bom, revelar, o que ganha alguém, com coragem de se alimentar seja lá do que for que colocarem em sua frente...
      Há um propósito maior nisto?

      Excluir
    2. Vixe,o anônimo conhece muito bem a doutrina de demônios!

      Excluir
  6. Cadu Tavares (carlos_workgroup@yahoo.com.br)28 de junho de 2010 22:15

    Parabéns Eduardo, muito bom o estudo sobre a cultura cananéia. Alguns comentários que gostaria de fazer a respeito da Trindade.
    Em rebate aos comentários anteriores entende-se que as Pessoas da Trindade na Biblia Sagrada não são três "deuses" diferentes, adorados individualmente, mas uma Tri-unidade. Resumidamente temos o Pai (Criador), o Filho (Salvador) e o Espirito Santo (Consolador). Existe uma unidade de essência, como o próprio Jesus diz em Jo 30:10, diferente de uma unidade de propósito.
    Em vários versículos da Biblia vemos referências quanto as Pessoas da Trindade. Exemplos Gn 1:26 "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...", A quem Deus se referia quando Ele diz "façamos" e "nossa"? É importante lembra que a palavra hebraica que significa um no sentido de único é "echad", que se refere a uma unidade composta, ou seja, unidade da Trindade. O próprio Jesus Cristo antes da sua ascenção faz a promessa do Consolador aos apóstolos (Jo 14:16 - "... vos dará outro (do gr Alos, que significa igual) Consolador..."). Muitos entendem a Trindade como uma doutrina, mas devemos vê-la como realmente é uma revelação divina, que tem uma unidade de essência, mas propósitos distintos no relacinamento de Deus com o homem.

    ResponderExcluir
  7. HOJE ESTAMOS VIVENDO EM UM MUNDO MUITO PIOR DO QUE CANAAM MUITOS DE NOSSOS IRMÃOS FAZEM DE SUA TELEVISÃO QUE DEVERIA SER UMA BENÇÃO,UM ALTAR PARA ADORAÇÃO DAS PRÁTICAS MUNDANAS AS DEGRADAÇÕES EM FORMA DE NOVELAS, AONDE A PROSTITUIÇÃO O ROUBO ADULTÉRIO E MORTE REINAM,Ñ SÓ ISSO OS NOSSOS CONCEITOS TÊM SIDO OS MESMOS DO MUNDO ESTAMOS PERDENDO AS NOSSAS REFERÊNCIAS E A NOSSA ESSÊNCIA ESTAMOS NOS MOLDANDO AO MODELO QUE O MUNDO-NOS APRESENTA;ESTAMOS VIVENDO OS TEMPOS DA PROFECIA QUE DIZ:E SE MULTIPLICAR A INIQUIDADE O AMOR DE MUITOS ESFRIARIA

    ResponderExcluir
  8. quero saber sera que pode me ajudar,como era realizado a festa de casamento dos cananeus?

    ResponderExcluir
  9. Legal, agora minha mente ficou mais claro, descobri que 1 é igual 3.

    ResponderExcluir
  10. Muitos olham para os ditames declarados em Deut 20 que chamamos de 10 mandamentos, e tomam por estes critérios o caminho a seguir tentando viver em suas igrejas, mas para mim, se tornam em cegos, que caminham como cegos e encontrar outros cegos para ficar tudo em comunidade de cegos, perante a verdadeira vontade do seu Senhor.

    Na realidade, se tornam cegos, porque faltam lhes luz, e coragem de levar a sério a verdade da Nova Aliança estabelecida em Jesus, o Nosso Cristo, por sua Morte de Cruz.

    Por que dizer que na Nova Aliança, no cálice da benção, está o sangue de Jesus, que deve ser digerido por todos os novos cristãos?

    A resposta, está na, tentativa de ter, ou falta de, consciência de Igrejas estabelecidas em Jesus, das quais muito poucas até então tiveram a coragem de seguir o que Jesus ensinou em Mateus 5, no sermão das bem-aventuranças.

    Se notarmos não é coincidência não, é realidade mesmo, os mandamento do Velho Testamento, foram dados aos filhos de Deus, sobre o monte Sinai, e os por assim dizer, conselhos de Jesus, foram dados sobre a montanha...

    E o que aconselho a cada um que esteja lendo estas minhas palavras é que tente pelo menos, ler Mateus 5, e tente distinguir quais as correlações do Velho Mandamento, com o Novo que não chamamos de mandamentos, mas de aliança, pois agora leva o nome de um Deus chamado Jesus entre nós.

    São nove bem-aventuranças e o décimo é o próprio Deus que se coloca ali, nosso Senhor Jesus Cristo pois é o amor que deve estar em tudo o que se deve fazer por, com e em Graça com Ele Jesus.
    O que pensou Jesus agindo entre nós, como Deus, falando novamente, mas agora, com o sentido de vida pela Graça, Sua vida de graça, pela nossa vida.

    Aconselhando cada um de nós a enxergarmos as alegrias de viver como santos, e irrepreensíveis perante Ele?

    Tentemos ver Jesus como nosso Deus, não como alguém que passou pelo mundo, e que se quisermos podemos viver como se ele não estivesse presente em e entre nós, suas igreja vivas.

    Jamais o Cristianismo irá parar de ser considerado como religião, pois o mundo está evoluindo para melhor, e esta esperança, não morre, graças justamente ao Jesus fez.

    Viver para o outro, é o sentido maior de cada cristão e envolve 9 bem-aventuranças, e de lucro, a transformação do coração do homem em Cristo eternamente presente entre nós....

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.